A HUMANIDADE ESTÁ FRIA!

 

o-aquecimento-global-afecta-todo-o-planeta_243413

Por Silvana Scórsin

Diante da TV assistindo resgates impressionantes de uma das maiores enchentes do Rio de Janeiro, neste início de ano, com tempestades enfurecidas colocando abaixo casas, prédios, ruas,  causando mortes e desabrigando centenas de famílias, me chamou a atenção um especialista em clima responder ao repórter que aquilo não se tratava de um episódio anormal da natureza e sim que, daqui para frente deveríamos considerar normais e cada vez mais constantes e mais violentas aquelas tempestades.
Anormal é não aceitar que o clima no planeta alterou, e alterou por vários motivos. Os estudos apontam diversas sinalizações, e entre elas, a de que a terra ainda esta saindo de um ciclo natural de 20 mil anos da era glacial, porém aceleradamente sendo aquecida pelas ações humanas pós- industrialização. Não necessariamente precisamos ser cientistas para chegar a conclusões sobre essas ações, visto que o desenvolvimento da indústria, a evolução e o desenvolvimento tecnológico tem sido verdadeiros agentes de nossas vidas diariamente, não muitas vezes, nos cabendo conhecer a parte de onde se inicia e termina esse ciclo produtivo de extração, manufaturas, industrialização, transporte e grande comércio mundial de interesses em transações de capital de cifras quase imensuráveis.
Esses interesses não resfriam o planeta, mas esfriam a humanidade. É preciso informar ao maior número de pessoas que os alertas sobre o que vem pela frente, caso os países não cumpram com o que se responsabilizaram na ultima Conferencia do Clima em Paris, ou seja, a diminuição das emissões de carbono na atmosfera, e particularmente no caso do Brasil, de 37% até 2025 e uma possível meta de 43% para 2030, resultem em aumento na temperatura além do previsto e, como conseqüência, as fúrias nada naturais tornarem-se mais freqüentes e desastrosas.
As mudanças climáticas são inevitáveis¿ Ainda com todo o cenário sócio Político atual, as decisões que emperram nas fronteiras ideológicas, culturais e principalmente de cunho desenvolvimentista, geram impactos e lapsos temporais importantes para que se tomem as devidas providencias nas melhores opções de reverter o mais rápido possível a situação.
Não é nada fácil, porém também requer que atuemos com gerência pro ativa e participativa na busca para que os líderes entendam a urgência, mirando nas conseqüências diárias em torno do planeta.
Temperaturas recordes de calor e frio causando mortes, o aumento da temperatura dos oceanos causando tornados e furacões de grande escala, incêndios de proporções alarmantes em vários pontos do planeta, humanos, fauna e flora sendo vítimas desses desastres, entre tantos outros problemas que o Meio Ambiente vem sofrendo em nome do desenvolvimento e do consumismo desenfreado. À favor, uma tímida, mas importante, “consciência mundial” sobre sustentabilidade, um consumidor se tornando cada vez mais “verde”; e também a alta tecnologia como ferramenta de grandes profissionais se especializando cada vez mais em pesquisas, investigações e contando com as mais potentes máquinas de aferição que visam encontrar saídas e respostas para evitar o avanço do pior dos cenários.
Estes profissionais: cientistas, engenheiros – florestais, ambientais, ambientalistas, meteorologista, biotécnicos ecologistas, geólogos, oceanógrafos, biólogos, engenheiros agrícolas, engenheiros de energia, zootecnista , veterinários, entre outros, possuem grande futuro em seus setores, caso venham a se especializar, a se dedicar aos estudos de desafios que aportam a todo o momento, um mercado que buscará um profissional multi-focado, bem preparado e proativo.

desastres-naturales-tipos
Porém, contra, temos os grandes grupos de indústrias que fomentam o consumo, que criam produtos com validade pré-determinado, explorando os recursos finitos do planeta com a leniência das autoridades e as estas colocando seus interesses de capital e poder acima do futuro das gerações.

E39EF586-434A-4991-8126-FB8EB71B817C
Resta-nos caneta e papel, ou um teclado e meios que nos ajudem a divulgar e compartilhar nossos alertas e nossas preocupações com o futuro de nosso planeta. Seremos os profissionais tão importantes quanto, pois também teremos nas mãos a missão e as ferramentas e os meios para informar de forma clara, objetiva, imparcial e verdadeira, em um só objetivo: unir e tocar as trombetas que ajudem a evitar o pior à humanidade.

Sobre Silvana Scorsin

Silvana Scórsin nasceu em 13/07/68, em Ponta Grossa- Paraná. Veio para Brasília em 1984 com um sonho: tornar-se uma grande executiva. Entrou na faculdade de Turismo aos 20 anos em 1992, depois fez pós em Gestão de Controle Empresarial, retornou a Faculdade para forma-se em Administração e partiu para a Argentina atrás do tão sonhado Mestrado de Gestão de Avaliação de Impacto Ambiental. Atuou com Chefe do Serviço de Turismo Receptivo da Secretaria de Turismo do DF, Ministrou Disciplina Teoria Geral de Administração para a Universidade de Desenvolvimento do Centro Oeste – UNIDESC. Atualmente é escritora, autora do Livro "Meios Impressos versus Meios Eletrônicos, um enfoque sobre os impactos ambientais neste setor" palestrante e jornalista do site Radar Digital Brasilia e jornalista responsável pelo Jornal Eletrônico CAPITAL EM FOCO. Coordenou uma equipe para a confecção de cadernos e um hotsite na Cobertura da RIO+ 20, para um grande grupo de Comunicação da Amazônia, onde atuou 31 anos na administração da Sucursal em Brasília, produzindo e apresentando o Programa “Conexão Brasília” com 26 vídeos que foram ao ar no portal do Grupo ORM. Credenciada nos Tribunais Regionais como Perita Ambiental. Site: www.radardigital.com.br Twuitew @sscorsin Instagran: sscorsin
Esta entrada foi publicada em Política e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *